Alterar o idioma do Blog - Change the language of the blog.

Postagens Recentes

Publicidade

terça-feira, 25 de novembro de 2014

Jornalista denunciou a direção da Petrobrás por corrupção e foi processado...

Imagem do Blog do Parsifal
       
Pois é amigos, esta denúncia foi feita pelo Jornalista Paula Francis em 1996, em pleno governo do Presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB). Nesta época a Polícia Federal não tinha autonomia para investigar membros do governo federal e todas as denúncias envolvendo o partido do governo e aliados eram engavetadas.
           
Além das denuncias do jornalista não terem sido apuradas, ele ainda teve que responder a um processo milionário, que tumultuou a sua vida, o que dizem colaborou para agravar seu estado de saúde. A denúncia foi feita um ano antes do seu falecimento em 1997.
        
Mas enquanto em nível federal a Justiça e a Polícia Federal gozam de autonomia e liberdade total, o mesmo já não acontece em alguns Estados da Federação. A prática de abafar denúncias e engavetar processos contra o governo e aliados, ainda é muito praticada por governadores em muitos Estados do Brasil, em que governadores (muitos do próprio PSDB), controlam a polícia e a justiça estadual, citando como exemplo o Governador Simão Jatene (PSDB) do Pará.
         
Neste ponto o Senador Aécio Neves tem razão, o PT deu continuidade a muitas iniciativas do PSDB, que foram implantadas pelos tucanos durante os governos do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, o mensalão e o esquema da Petrobrás são exemplos incontestes disso. Vejam mais detalhes da denuncia do Paulo Francis no Blog do Parsifal Clicando Aqui.
   
Agora vejam o que o Paulo Francis disse sobre a corrupção Petrobrás em 1996 durante o Governo do Fernando Henrique (PSDB), no programa Manhattan Connection:
   

       
Fernando Henrique recentemente disse que tinha vergonha da corrupção na Petrobrás, só se for agora, pois durante o seu governo, ao que parece, ele não tinha vergonha alguma.
   

Vereadores do Prefeito tentam controlar o HRT e tirar o foco das graves denuncias de corrupção na PMT

             

Os vereadores do prefeito tentam tirar o foco das graves denúncias de corrupção feitas pelo Vereador Deley (PPS) e pela Vice-prefeita Nilda (PSDB) contra o Prefeito Sancler Ferreira (PPS).

           
Em vez de mandar o prefeito tirar a Maternidade Municipal de dentro do Hospital Regional e averiguar as denúncias de sucateamento dos postos de saúde e do Hospital Municipal, os vereadores resolveram perturbar os trabalhos da Diretoria do Hospital Regional de Tucuruí, hospital este que é do Governo do Estado.
         
Os vereadores sem ter nada melhor e de mais útil para fazer, vão convocar a administradora do HRT para dar explicações sobre as Cirurgias Eletivas no Hospital Regional. Como eles não fazem o seu trabalho, acreditam que os outros também não têm mais o que fazer. Segundo nossas fontes, o INTERESSE REAL dos vereadores não tem nada a ver com o interesse público, o interesse ai parece ser outro completamente diferente.
         
A atual direção do Hospital Regional de Tucuruí desde o início teve sérios problemas e foi perseguida por alguns políticos locais, que usavam as cirurgias eletivas como moeda de troca de votos nas eleições municipais ao "furar" a fila e a lista de pacientes, para antecipar cirurgias eletivas de parentes e cabos eleitorais visando suas reeleições.
         
A atual direção acabou com a farra e isso gerou a ira de certos políticos, principalmente agora que as eleições municipais se aproximam, e 2016 já ano de eleições municipais. Como os vereadores não tem o que mostrar para a população, vão tentar se reeleger "na marra" através de "manobras políticas" e uso da máquina pública.
        
Com este artifício os vereadores do prefeito querem matar dois coelhos com uma só cacetada: Tirar a atenção da sociedade das acusações de corrupção na Prefeitura, e ao mesmo tempo pressionar a direção do Hospital Regional de Tucuruí para que a prioridade nas listas de espera para Cirurgias Eletivas no Regional, seja os apadrinhados políticos e não a lista de pacientes por tempo de espera. 
    
Muitos políticos antigamente, estavam acostumados a chegar no HRT e passar por cima e na frente de todo mundo para atender os seus apadrinhados, alguns ganharam a eleição às custas do HRT. Só que a farra teve fim e muitos não se conformam com isso.
         
Em Tucuruí é assim, quem concorda em participar dos esquemas é protegido, mas se o servidor público quer andar direito a perseguição é certa.
       
O Folha já denunciou anteriormente manobras e perseguições políticas contra a Direção do Hospital Regional, com o objetivo de impor o controle político das listas de espera de Cirurgias Eletivas no HRT. Para rever a matéria, Clique Aqui.
       
ISSO É UMA VERGONHA!!!
            

Algumas Secretarias ignoram determinação da Procuradoria Jurídica da PMT e fazem transporte irregular de funcionários

Hoje de manhã, funcionários transportados em carroceria de camionete
       
Casa da mãe Joana
        
Apesar da circular da Procuradoria Jurídica da Prefeitura de Tucuruí proibir terminantemente o transporte irregular de funcionários da Prefeitura, algumas Secretarias ignoram a ordem e prosseguem com a prática que além de ser uma infração de trânsito, coloca em risco a vida dos servidores municipais.
    
Isso só prova uma coisa: A Prefeitura de Tucuruí está sem comando e sem controle, cada um faz o que quer e todos querem se dar bem. 
         
Mas o exemplo vem do Prefeito Sancler, que faz o que bem entende sem se importar com a Lei, com a justiça e muito menos com a ética na administração pública. Os Secretários somente seguem o exemplo do chefe, fazem o que querem e estão se lixando para o resto.
       
Se você vir este tipo de transporte pelas ruas, tire uma foto e nos envie para que possamos publicar a denúncia.
      
Vejam a Circular proibindo este tipo de transporte
       
       

segunda-feira, 24 de novembro de 2014

Rede Globo é alvo de piada na imprensa internacional

            
Assistam a este vídeo, é muito interessante ver como a imprensa internacional vê a Rede Globo, uma empresa de comunicação que pensa e age como um partido político. Em todo o mundo isso só acontece no Brasil.
           
     

O sumiço do tucano que adorava a mídia

O misterioso desaparecimento de Aécio Neves
 
Trecho da matéria do Blog Faro Fino
     
Fugindo da Lava Jato - Alguém sabe do paradeiro deste senhor?
Helena Stephanowitz, RBA
      

Polícia Federal chega no ‘Doutor Freitas’ e Aécio Neves desaparece. Após depoimentos de executivos que fizeram acordos de delação premiada afirmando que existia um ‘clube’ de empreiteiras que fraudava licitações e pagava propinas, ex-presidenciável tucano some da mídia.
       
Nas últimas entrevistas, o senador Aécio Neves (PSDB), apareceu tentando pautar desesperadamente a mídia na Operação Lava Jato para atacar o governo Dilma e afastar os holofotes dos tucanos. Parece que vai ser difícil agora.
       
Notinhas tímidas, em letras miúdas, no rodapé de páginas dos grandes jornais informam que o dono da UTC, Ricardo Pessoa, disse em depoimento à Polícia Federal que tinha contato mais próximo com o arrecadador de campanha do PSDB, o Doutor Freitas, Sérgio de Silva Freitas, ex-executivo do Itaú que atuou na arrecadação de campanhas tucanas em 2010 e 2014 e esteve com o empreiteiro na sede da UTC. Ainda de acordo com o depoimento, objetivo da visita do Doutor Freitas foi receber recursos para a campanha presidencial de Aécio.
          
Dados da Justiça Eleitoral sobre as eleições de 2014 mostram que a UTC doou R$ 2,5 milhões ao comitê do PSDB para a campanha presidencial e mais R$ 4,1 milhões aos comitês do PSDB em São Paulo e em Minas Gerais, além de R$ 400 mil para outros candidatos tucanos.
                  
Depois dos depoimentos de dois executivos da Toyo Setal que fizeram acordos de delação premiada, e afirmaram que existia um “clube” de empreiteiras que fraudava licitações e pagava propinas, misteriosamente o tucano Aécio Neves sumiu da imprensa. Leia a matéria completa.
             

                 

Publicidade