Tucurui

Tucurui

Notícias

Alterar o idioma do Blog

Eleição ASERT Chapa 1

Eleição ASERT Chapa 1
Eleição ASERT Chapa 1

domingo, 30 de abril de 2017

A política nos municípios e nas redes sociais

   
Comentários nas redes sociais, inteligência X boçalidade.
              
O objetivo dos comentários e expor ideias e contribuir para o conhecimento e o esclarecimento de determinado assunto ou tema, corroborando a ideia ou apresentando o contraditório. O comentário nos blogs, por exemplo, tem como objetivo o debate sadio e respeitoso que contribui para aperfeiçoar o conhecimento sobre determinado assunto.
       
Nenhum blogueiro abre os comentários em seu blog para ser ofendido e atacado, e nenhum blogueiro inteligente abre os comentários para a prática de ódio e crimes, já que o dono do blog responde criminalmente por tudo que é postado, mesmo que a postagem não seja de sua autoria.
             
Existem pessoas que não tem a mínima educação e sua boçalidade é tamanha que eles não sabem expressar as suas ideias de forma educada e respeitosa, acreditam em sua mediocridade que pessoas sérias e inteligentes aceitam ideias expressas de forma grosseira, mal educada e infantil.
               
Vejam por exemplo o último comentário postado em nosso blog, comentário este evidentemente deletado é claro, vejam a boçalidade expressa em apenas um pequeno comentário de apenas duas frases: Porcarias, baba-ovos, patrãozinho, Há... E ainda tem um “desafio” digno de colegiais na primeira infância: (“e muito menos vai publicar meu comentário”). Este tipo de desafio me deixa até com saudade da minha infância, quando um menino na sua infantilidade fazia um risco no chão e desafiava o outro: “Passa esta linha se você for homem”, ou então: “Cospe aqui se for homem...”.
          
Nenhum blogueiro sério, inteligente e adulto publica uma coisa idiota como esta, pega até mal, para nós informação e debate de ideias é coisa séria, este blog é para adultos não é para crianças, ainda mais crianças velhas e mal educadas.
        
Então, existem diversas formas de se comunicar e mesmo fazer política, comentar nas redes sociais também é uma forma de fazer política, é possível dizer tudo o que se pensa sem ser grosseiro e mal educado, basta saber redigir um texto inteligente sem utilizar palavras e expressões chulas vulgares e agressivas. Política também é convencimento, não se convence ninguém com grosserias e vulgaridades, com um texto grosseiro só se convence que o seu editor é ignorante e vulgar.
           
Cargos de confiança e contratados nos governos, certo ou errado?
            
O Brasil tem 26 Estados e 570 municípios além do Distrito Federal, desafiamos a qualquer pessoa a nos mostrar apenas um município que não tenha contratados e cargos de confiança... Querer que o governo de Tucuruí (quando o prefeito é adversário é claro) seja uma exceção é no mínimo hipocrisia, demagogia e velhacaria. Cargos de confiança existem nas democracias do mundo todo e não é de hoje, a família Real Portuguesa, por exemplo, quando veio para o Brasil trouxe milhares de funcionários públicos de confiança do Rei e depois que chegou nomeou muitos mais.
           
A fuga da família real não se restringiu, como se sabe, a meia dúzia de ministros e algumas dezenas de funcionários do Estado. Foram alguns milhares de “dependentes” do Estado que precisavam ser agraciados com os favores da corte. Apenas a título de comparação mencione-se que em 1800, ao transferir a capital da Filadélfia para Washington, o presidente John Adams trouxe consigo cerca de 1.000 funcionários governamentais (e isso nos EUA). Com D. João, vieram entre 10 e 15 mil funcionários portugueses, segundo as crônicas históricas.
        
Era preciso dar emprego para toda essa gente. Na verdade, muitos deles não trabalhavam, consoante seu estatuto de “nobres” (aos quais não se permitia o exercício de alguma atividade “manual”. Em Portugal, para sermos precisos, não eram muitos os nobres, mas o coração generoso de D. João se encarregaria de criar muitos mais, ao aqui chegar, pela prática de enobrecer aqueles que tinham cedido suas casas, contribuído financeiramente para a manutenção da corte, participado na constituição do Banco do Brasil e outros favores mais.
            
Como esclarece um historiador: “Os indivíduos enobrecidos, agraciados com hábitos ou comendas, entendiam não lhes quadrar mais comerciar, sim viver das suas rendas, ou melhor ainda, dos empregos do Estado. Avolumar-se-ia desta forma o número dos funcionários públicos, com o rancor dos burocratas do reino, que tinham acompanhado a família real ou chegavam seduzidos por essas colocações em que as fraudes multiplicavam os ganhos lícitos, muito pouco remunerados” (Oliveira Lima, D. João VI no Brasil, p. 57). E não eram poucos, os candidatos a um emprego público: além da família real, 276 fidalgos e dignitários régios recebiam verba anual de custeio e representação, paga em moedas de ouro e prata, retiradas do erário real; havia ainda 2000 funcionário reais, 700 padres, 500 advogados, 200 praticantes da medicina, entre 4 e 5 mil militares, todos vivendo em torno da Coroa. Um dos padres recebia 250 mil réis (14 mil reais de hoje), só para confessar a rainha (Fonte: Luiz Felipe Alencastro, “Vida privada e ordem privada no império” in História da Vida Privada no Brasil, vol. 2, p. 12). Vejam a matéria completa. http://www.espacoacademico.com.br/080/80pra.htm
              
Atualmente
       
Prefeito, Governador e Presidente não governam sozinhos, eles precisam de pessoas de confiança para dividir o poder, administrar a cidade, executar suas ordens e zelar pela imagem politica da administração. E precisa de cargos para atender aos compromissos políticos e ao legislativo. Não tem como uma Prefeitura não ter Cargos de Confiança e contratados, o problema é quando tem abuso. Esta é a realidade, o resto é hipocrisia e demagogia.
            
Outro problema dos gestores é na hora de escolher os ocupantes de cargos de confiança, como no Brasil os governos são de coalizão (nenhum partido politico governa sozinho), o poder é dividido entre os partidos que fazem à base de sustentação do governo, nenhum partido apoia um prefeito pelos seus lindos olhos ou por idealismo, os partidos apoiam governos para participar deles, e os partidos participam dos governos indicando cargos de confiança, é assim que funciona e vai continuar funcionando nos municípios, Estados e no Governo Federal enquanto vivermos em um país republicano e democrata. Qualquer pessoa minimamente informada conhece esta realidade. A democracia não é perfeita, mas é o melhor sistema de governo que o homem criou.
              
O Prefeito deve ser político ou administrador?
          
Prefeito, Governador e Presidente têm de serem as duas coisas, se for só administrador ou só político não tem como fazer um bom governo, ser administrador e político ao mesmo tempo é fundamental.
         
Se o prefeito for apenas administrador, acabará por perder apoio político e popular e sem isso ele não governa, pois Prefeito não governa sozinho e sem apoio, o prefeito tem de lidar com muitos interesses muitos deles divergentes, a política e a sociedade tem inúmeros interesses, na política existem interesses partidários de grupos e de poder, na sociedade também existem diversos interesses, Exemplo: Tem os interesses dos religiosos, dos empresários, dos trabalhadores, agricultores, do transporte público e muitos outros, e é claro até pelas divergências, quando se atende o interesse de um grupo o prefeito normalmente desagrada interesses de outros grupos, é preciso ser político e gestor ao mesmo tempo para resolver este dilema. 
              
Na questão dos cargos de confiança e contratados, quando o prefeito contrata atende aos interesses puramente administrativos, assim como atente aos interesses dos grupos que o apoiam, mas ao mesmo tempo desagrada os grupos de oposição que naturalmente estão fora do governo, quando o Prefeito nomeia um Secretário desagrada muitos outros aliados que querem o mesmo cargo, por isso o prefeito precisa ser político e ter jogo de cintura, lembrando que faça o que fizer, o Prefeito SEMPRE vai desagradar a oposição a menos que renuncie ao mandato, neste caso eles vão apoiar é claro (Rs). Como não dá para agradar a oposição, o melhor é não perder tempo tentando, o prefeito deve usar o seu tempo e seus esforços para desenvolver o município, unir seu grupo de apoio e dar qualidade de vida para a população.
            
Secretário, administrador e político
             
Um dos maiores problemas do gestor é encontrar pessoas adequadas para os cargos de chefia e assessoramento. Assim como o Prefeito, os Secretários também precisam ser políticos, aliás, o Secretário exerce um Cargo Político previsto na Constituição Federal, por ser um cargo político, não é nepotismo ou ilegal o Prefeito nomear parentes para exercerem cargos de Secretários de Governo.
                
Um Secretário que foi eficiente em uma empresa particular ou em uma autarquia Estadual ou Federal pode ser um desastre em uma administração municipal, tivemos inúmeros exemplos disso, em que empresários de sucesso fracassaram completamente como Secretários de Governo. Para começar na empresa privada o Secretário teria que agradar ao dono da empresa e ao seu chefe imediato trabalhando com eficiência e bajulando muito, no caso da prefeitura, o Secretário tem de ter jogo de cintura e agradar a toda a população, incluindo políticos e servidores, órgão público não tem de dar lucro, pois não é esta a sua finalidade, na Administração Pública o patrão é o povo, e por isso ele tem que atender e tratar bem a todos e prestar um bom serviço para a população, só isso. 
             
Outra coisa, o Secretário tem de ser político, pois a política nos municípios é muito diferente da política na iniciativa privada (Lá também tem política, a como tem), diferente também dos Estados e no Governo Federal, principalmente nas cidades médias e pequenas. A política no município é muito pessoal e muito próxima do gestor, você pode trabalhar vinte anos no Estado ou no Governo Federal e nunca ver pessoalmente e muito menos falar com um Governador ou um Presidente, normalmente eles nunca saberão que você existe, tem mais, você nunca conhecerá todos os órgãos Estaduais/ Federais e provavelmente não vai conhecer mais que 1 ou 2% dos servidores Estaduais e Federais, o relacionamento do gestor com o servidor e o cidadão comum é muito distante.
         
No município é diferente, dificilmente o cidadão não vai se encontrar com o Prefeito nas ruas, no comércio ou em eventos públicos, e você provavelmente conhece a maioria dos servidores da Prefeitura de vista ou pelo nome, portanto a politica municipal é muito pessoal e isso faz toda a diferença.
                
Um bom Prefeito é administrador, político, bombeiro (apaga incêndios), bom ouvinte e sabe escolher seus auxiliares, sabe distinguir um bom conselho de uma maledicência ou de um fuxico, sabe corrigir erros e conter abusos na administração já que isso é inevitãvel, pois quando se dá o poder a alguém, provavelmente em algum momento este alguém vai abusar deste poder, principalmente se este poder é emprestado e não foi conquistado nas urnas. 
         
O Parsifal quando prefeito tinha uma forma interessante e eficiente de lidar com o fuxico, ele chamava o fuxiqueiro e a "vítima" e colocava os dois de frente, normalmente a verdade vinha à tona, com isso em sua gestão os fuxicos e calúnias não acabaram, mas diminuíram muito, normalmente os caluniadores são covardes e não enfrentam as pessoas cara a cara.
          
Um prefeito político/administrador em Tucuruí?
             
Tucuruí é um exemplo de que o prefeito precisa ser ao mesmo tempo político e administrador, tivemos inúmeros prefeitos, mas ainda não tivemos nenhum que fosse administrador e político ao mesmo tempo, só o Sancler conseguiu se reeleger, mas porque surfou nos programas do Governo Federal (PAC) que investiu trilhões em todo o Brasil, Sancler ainda aproveitou a divisão e a desorganização da oposição que não esta à venda em Tucuruí, assim como não teve pudor em utilizar em seu benefício à máquina da Prefeitura com milhares de contratações, promessas enganosas através de cadastros do Cartão Cidadão e dos famosos cadastros da Casa Própria. Sancler não foi um bom administrador, foi apenas um político oportunista que não hesitava em burlar a Lei e desafiar a justiça, e que tirou proveito e se apropriou dos programas sociais do Governo Federal em Tucuruí.
              
Quando o Governo Federal foi boicotado pelo congresso golpista e corrupto, e a Presidente foi impedida de governar o que levou o Brasil ao aprofundamento da crise econômica que era mundial, os recursos federais foram reduzidos em todo o país e é claro em Tucuruí, e com a Prefeitura falida, endividada e com uma administração atolada em escândalos de corrupção, com o prefeito desgastado e respondendo a dezenas de processos na justiça, Sancler não conseguiu fazer o seu sucessor e o seu grupo politico foi alijado do poder.
              
A política é uma ciência e uma arte, política não é para amador. Tivemos prefeitos que eram políticos, mas eram maus administradores, como por exemplo, o Navegantes, Cláudio e o Sancler, e tivemos o Parsifal que era mais administrador que político, no entanto infelizmente nunca tivemos um Prefeito político/administrador.
          
                 
Temos agora o Jones que está há apenas quatro meses no cargo, diante de um governo ainda no começo e com tantos problemas e com a Prefeitura falida, não temos ainda como avaliar com precisão o atual governo, no entanto vemos no Prefeito a vontade de acertar e a humildade no trato com os servidores e a população, o que é um bom sinal, o prefeito pode ser visto diariamente andando pelas ruas da cidade, fiscalizando as obras, prestigiando eventos públicos e em reuniões com a sociedade organizada e entidades governamentais e não governamentais, na maioria das vezes o prefeito é visto em público sem uma escolta de seguranças e bajuladores, penso que os bajuladores sejam dispensáveis, mas a escolta de seguranças, mesmo que de forma discreta deve haver, até por se tratar da autoridade máxima no Município.
             
Vamos esperar a Prefeitura equacionar a questão da brutal queda da arrecadação e resolver o problema da dívida de quase 170 milhões (o que equivale a quase nove meses de arrecadação da Prefeitura), para que a PMT possa retornar os investimentos e começar a cumprir os compromissos de campanha, como a urbanização dos bairros com asfalto e água tratada, melhoria no atendimento médico, na educação e na geração de empregos.
                         
Tucuruí precisa de fé e de esperança, não vamos fazer como os golpistas liderados pelo PSDB, que trabalharam para o quanto pior melhor, e destruíram a economia do país para justificar o golpe e a derrubada de um governo democraticamente eleito e assumir o governo pelo golpe e no tapetão. 
              
Na democracia a oposição tem um papel importante e fundamental, pois ajuda a fiscalizar e aponta os erros do governo, mas deve ser uma oposição responsável, que de fato defenda o interesse público, mas que acima de tudo respeite a vontade do povo e o resultado das urnas, pois sem democracia não existe futuro.
           

sábado, 29 de abril de 2017

Dívida da Prefeitura de Tucuruí chega a quase 170 milhões

                   
A dívida da Prefeitura de Tucuruí chega hoje a quase R$ 170.000.000 cento e setenta milhões. O total da dívida é de R$ 190.960.354,1 Cento e noventa milhões, novecentos e sessenta mil, trezentos e cinquenta e quatro mil e dez centavos.
      
Deste valor, R$ 25.869.546,59 (quase 26 milhões) são dívidas emergenciais que não podem esperar.
     
A dívida total da PMT é:
       
1 - INSS R$ 68 milhões
      
2 - IPASET R$ 38 milhões
     
3 - Fornecedores R$ 20.500.000,00
       
4 - Folha de Pagamento de dezembro R$ 14.300.000,00
        
5 - Consignado Caixa R$ 7 milhões
        
6 - Dívida trabalhista 4,800 milhões
       
7 - Celpa R$ 3.285.184,25
     
8 - Viação Tucuruí R$ 2,200 milhões
       
9 - Precatórios vencidos R$ 2 milhões
      
10 - Clean Serviços R$ 1,776 milhões
        
11 - Clean Hospitalar R$ 1. 378.478,00
     
12 - Alugueis R$ 750 mil
       
13 - TFD R$ 748 mil
         
14 - Câmara R$ 353 mil
         
As dívidas emergenciais totalizam R$ 25.869.546,59 estas dívidas não podem esperar e muitas delas são cobranças judiciais. Abaixo a lista completa. 
     
Sem entrar no mérito de quem é a culpa, devemos saber que a Prefeitura está em uma situação difícil, ainda mais levando em conta a brutal queda na arrecadação da PMT e a falta de investimento do Governo Federal com a praticamente extinção do PAC. Como todos sabem 9,99% das obras em Tucuruí foram custeadas pelo Governo Federal nos últimos oito anos. Agora com o golpista na presidência, dificilmente teremos investimentos federais antes de 2019. 
           
No entanto, e apesar de endividada é possível reerguer a Prefeitura contendo despesas e usando os recursos públicos com mais parcimônia, economicidade e eficiência. Mas devido à crise e a situação da PMT isso leva tempo. Compete agora a esta administração gerir os recursos públicos com honestidade e eficiência e compete ao povo de Tucuruí fiscalizar, lembrando-se da frase do famoso filósofo: "todo o homem que tem poder sente inclinação para abusar dele, indo até onde encontra limites" e este limite ao governante é imposto pela Lei e pelo povo... 
         
O Prefeito precisa de uma boa equipe de governo (prefeito não governa sozinho e é preciso humildade para reconhecer isso), precisa de apoio popular e do apoio dos servidores públicos que tratam diretamente com o povo e fazem a imagem da administração pública para o bem e para o mal. Uma boa imagem e apoio político do Prefeito depende da eficiência do governo e principalmente do tratamento e do respeito dispensado à população e ao funcionalismo, na administração pública não cabe a arrogância, à boçalidade e a prepotência.
     
Não estou dizendo, ainda, que o povo e os servidores municipais não estão sendo tratados com o devido respeito e com a consideração que merecem, é só um conselho e uma advertência a um governo novo e uma administração que está começando agora, para que não cometam os mesmos erros de administrações passadas, se tiverem que errar, já que todos são humanos, pelo menos cometam erros novos que pelo menos dá para serem justificados.
            
Na administração pública ninguém é dono de nada, todos são empregados do povo, portanto ninguém é melhor do que ninguém e todas as funções são importantes e indispensáveis. A importância social de uma pessoa não se mede pelo cargo temporário que ocupa, e sim pelo que ela é e o que representa dentro da sociedade, Jesus era Carpinteiro, uma função humilde, e nunca existiu e nem existirá alguém com maior importância para toda a humanidade, e mesmo assim nunca existirá alguém com tamanha humildade. 
          
Estamos torcendo para que esta administração dê certo, pois do sucesso da administração municipal depende o desenvolvimento de Tucuruí e a qualidade de vida da população. 
               
Equipe Folha. 
             

Mesmo com provocações governo e o PIG não tiram a força da greve

Com provocadores, polícia e desdém, Governo não tira força da greve
   
Do Blog O Tijolaço.
     
POR FERNANDO BRITO · 28/04/2017
    
  
Pode a imprensa brasileira reduzir a cobertura da greve geral aos episódios de enfrentamento, transformando-a em caso policial, ao ponto de que só no espanhol El Pais se pode ver a multidão que acima se mostra.
           
Pode o “especialista” em movimentos popular, Merval Pereira, dizer que a “greve não é nem espontânea nem popular” porque teve piquetes, vandalismo e “atrapalhou a vida de todo mundo”.
        
Pode um bando de infiltrados e cabeças de titica dos quais se servem fazer algumas provocações e violências desnecessárias.
        
Podem os governantes em todos os níveis acionarem uma polícia que só serve para provocar mais conflitos e que transformou bombas e spray de pimenta em arroz de festa de suas atuações.
        
Nada disso apaga o essencial: o país está conflagrado. Leia a matéria completa.
           

Anonymous derruba a página do PSDB



           
"O espetáculo exibido pelo congresso é macabro. Uma proposta de reforma previdenciária que deixará o ônus para o trabalhador. Alivia o patronato e condenará milhões de brasileiros ao trabalho até a morte. Uma reforma trabalhista que visa apenas privilegiar o interesse dos empregadores. Que apenas reduz garantias e direitos do trabalhador", diz manifesto do grupo Anonymous, publicado na página do PSDB. Leia a matéria completa.
               

sexta-feira, 28 de abril de 2017

Mais imagens da Greve Geral





Ibope - Lula dispara nas pesquisas e rejeição aos Tucanos aumenta

Lula comemora o sucesso da greve e diz que o povo deve continuar lutando
Juiz de Fora (MG) está na #GreveGeral! (Crédito: Mídia Ninja)
          
Do Blog Convesa Afiada
           
         
O IBOPE Inteligência perguntou aos brasileiros o potencial de voto e a rejeição dos possíveis pré-candidatos à presidência da República nas eleições de 2018. Dentre os nomes pesquisados, o ex-presidente é o que possui o maior potencial de votos.
          
Lula tem, hoje, um potencial de voto de 47% dos eleitores brasileiros: 30% dizem que votariam com certeza - o maior dentre todos os nomes pesquisados - e 17% declaram que poderiam votar nele para presidente em 2018. Na sequência, aparecem Marina Silva com 33% (9% com certeza votariam e 24% poderiam votar), José Serra com 25% (7% e 18%), Geraldo Alckmin com 22% (7% e 15%), Aécio Neves também com 22% (6% e 16%), Joaquim Barbosa com 24% (12% e 12%), Ciro Gomes com 18% (5% e 13%), Bolsonaro com 17% (8% e 9%) e João Doria com 16% (6% e 10%).
        
Já no outro lado, o da rejeição, três nomes do PSDB aparecem à frente do ex-presidente. Aécio Neves é, dentre os nomes testados, o que tem a maior rejeição dos entrevistados: 62% não votariam nele de jeito nenhum para presidente da República em 2018. O segundo mais rejeitado é José Serra, com 58%, seguido de Geraldo Alckmin (54%), Lula (51%), Marina (50%), Ciro Gomes (49%), Bolsonaro (42%), João Doria (36%) e Joaquim Barbosa (32%).
          
Em relação a abril do ano passado, quando essa pergunta também foi feita aos brasileiros, a rejeição ao ex-presidente diminuiu 14 pontos percentuais (de 65% para 51%), sendo a única que recuou no período. A rejeição aos demais nomes subiu. A rejeição de Aécio aumenta 9 pontos; a de Bolsonaro, oito; a de Marina, quatro. A rejeição de Serra, Ciro Gomes e a de Alckmin oscila 1 ponto para cima. Joaquim Barbosa e João Doria são testados pela primeira vez na pesquisa.
            

Greve Geral em Tucuruí

Imagens das manifestações da Greve Geral em Tucuruí.
         
             
         
   

quinta-feira, 27 de abril de 2017

Tucuruí/SINSMUT - Sobre a Greve Geral do dia 28 na PMT

            
Hoje foi um dia agitado na Prefeitura devido à Greve Geral de amanhã contra as reformas que retiram direitos dos trabalhadores, promovida pelo Temer Usurpador com o apoio e conluio do PSDB, seu principal aliado no massacre dos trabalhadores.
             
Esta questão da Greve Geral é um caso atípico, pois as reformas atingem a TODOS os trabalhadores e à maioria da população, principalmente os mais pobres.
          
Por decisão do STF os servidores públicos só podem fazer greve por atraso de pagamento, no entanto neste caso a Greve não é por reajuste de salário ou condições de trabalho, é muito mais que uma questão sindical, trata-se de uma questão de cidadania e de sobrevivência do trabalhador, pois atinge diretamente seus direitos mais básicos que são o seu direito a uma aposentadoria digna e a proteção do seu emprego e salário.
          
Acredito que a Greve Geral por um dia não afetará significativamente o cidadão comum em Tucuruí, estamos acostumados com feriadões de quatro dias e nem por isso Tucuruí ou a Prefeitura foi à falência e ninguém morreu, já que os serviços básicos como segurança pública e saúde não sofrem descontinuidade, pois a Lei determina o número mínimo para atendimento à população. Portanto qualquer resistência da administração a participação dos servidores municipais à Greve Geral, caso ocorresse, não seria em defesa da população e sim por motivação política.
      
O Sindicato, de acordo com decisão do STF, não poderia decretar greve neste caso, no entanto caso o fizesse, quem poderia questionar isso juridicamente seria a Prefeitura, mas acho que o Prefeito não o faria pelo enorme desgaste político, sendo que até mesmo a Justiça do Trabalho aderiu à greve, rodoviários, pilotos e outras categorias também aderiram... O que faltou de fato a meu ver, foi uma maior mobilização dos servidores e a conscientização da importância dos direitos que o USURPADOR quer tirar dos trabalhadores. Esta Greve é mais importante que a data-base e mais importante que qualquer reajuste salarial, pois é o emprego e a aposentadoria dos trabalhadores que estão em jogo.
       
No caso, o sindicato deveria ter conversado com antecedência com os servidores e com o Prefeito e Secretários sobre esta greve e estas ações tão importantes até para eles mesmos, até para evitar conflitos e desgastes desnecessários. Sei que a administração municipal não pode interferir já que greve é questão sindical, no entanto se a administração municipal não pode ou não quer apoiar a Greve, que pelo menos não interfira pressionando direta ou indiretamente os servidores, que são livres para decidir o que devem ou não devem fazer. Ao sair pelos setores avisando aos servidores que amanhã seria um dia de expediente normal, sem que os servidores tenham perguntado alguma coisa, subentende-se que é uma forma de pressão. 
         
Se o chefe sem motivo sai avisando que no dia da greve será um dia normal de expediente isso quer dizer que se o servidor faltar terá seu dia descontado (Para um bom entendedor um pingo é letra), ou seja, se está avisado que o dia da greve é um dia normal, se faltar o servidor será penalizado simplesmente porque está exercendo seu direito como cidadão e como trabalhador? Se a administração não ajuda, pelo menos não atrapalhe ou pratique abuso do seu poder, afinal todos nós estamos sendo prejudicados e a greve não é contra a prefeitura.

O Sindicato superestima o programa Tucuruí Agora, nada substitui a mobilização corpo-a-corpo e a maioria dos servidores não escutam o programa, pois neste horário a grande maioria está no expediente, e não pode parar o seu trabalho para escutar o rádio. 
            
Acredito que esta questão da Greve Geral não foi tratada de acordo com a importância que tem para todos nós. Sei que a Direção do SINSMUT tem muito trabalho e muita coisa para fazer, inclusive tratar da questão da data-base, dos convênios e outros assuntos sindicais, no entanto a questão da defesa dos direitos dos trabalhadores que estão sendo tirados pelo USURPADOR com a ajuda do PSDB, tem prioridade sobre os demais assuntos, pois é uma questão de sobrevivência, levando em conta ainda que a greve é de apenas um dia, e pela sua importância deveria ter prioridade sobre outros assuntos.
           
Segundo o Raimundo o SINSMUT já conversou com os Secretários para que, se não querem ou não podem ajudar, pelo menos não atrapalhem pressionando os servidores para que não participem da Greve Geral, se quiserem descontar o dia descontem, pois grande parte dos servidores tem diversas férias, licenças-prêmio e horas-extras não pagas que cobrem várias de vezes um dia de trabalho. 
        
A administração municipal deve se conscientizar que exercem cargos administrativos e POLÍTICOS, não adianta ser administrador e não ser político, ou ser político e não ser administrador, uma coisa depende da outra e é possível exercer as duas funções simultaneamente e com êxito, ainda mais nos municípios onde os políticos estão mais próximos do cidadão, ao contrário dos Governadores e Presidentes.
         
Se a Lei fosse fria e absoluta não precisava de Juiz, Advogado e Promotor, pois a Lei depende de interpretação e a sua aplicação depende das circunstâncias e principalmente do bom-senso (cada caso é um caso diferente um do outro).
          
As instituições estão muito desacreditadas no Brasil, o povo não acredita mais em nada e desconfia de tudo e de todos (e não posso culpá-los), agora com o fim da Contribuição Sindical obrigatória, os sindicatos dependem exclusivamente da contribuição dos seus filiados, e por isso devem tomar muito cuidado com a sua credibilidade. Até agora o SINSMUT, em minha opinião, tem correspondido ás expectativas e à confiança dos servidores, não tenho motivo algum para questionar a idoneidade da diretoria até o momento, e espero que continue assim, pois os servidores precisam de um sindicato forte e de confiança para defender os seus direitos. 
         
Só acho que o SINSMUT deve trabalhar mais a questão das mobilizações e fazer visitas regulares aos setores da PMT para conscientizar os trabalhadores e seus superiores dos seus deveres e direitos, tomar conhecimento das condições de trabalho e da qualidade da relação entre a administração e os servidores. 
        
Da qualidade do ambiente de trabalho do servidor público depende a produtividade, a motivação, a eficiência dos serviços prestados e o tratamento dispensado à população. 
          
Outra ideia seria uma caixa de críticas e sugestões na sede do sindicato, para que a diretoria saiba o que pensam seus filiados, e assim aperfeiçoar a gestão e o relacionamento entre servidor/sindicato.
          
Torço para que a Greve de amanhã seja um sucesso para que o povo e os trabalhadores mostrem ao USURPADOR e seus asseclas a força do povo brasileiro.
         
Até amanhã.
      
O Resistência
        

quarta-feira, 26 de abril de 2017

Pastor vende terreno para a Prefeitura, recebeu o dinheiro e agora agride servidores da PMT que trabalhavam na área

Imagem puramente ilustrativa
O Pastor Adauto vendeu um terreno para a Prefeitura de Tucuruí na administração de Sancler Ferreira para a construção de um Aterro Sanitário, o terreno foi pago em 12 parcelas de R$ 83.333,34 (Oitenta e três mil, trezentos e trinta e três reais e trinta e quatro centavos), no total de: R$ 1.000.000,08 (Um milhão), segundo informações esta venda teria sido intermediada na época pelo Chefe de Gabinete da PMT Júnior Souto.
      
Ocorre que esta área é uma Área de Proteção Ambiental e não pode ser utilizada para a construção de Aterro Sanitário, tendo as obras do Aterro sido embargada pela SEMA do Estado ainda na gestão passada. Diante disso a atual administração da PMT fez um projeto para construção de um viveiro de mudas, destinadas à Secretaria de Agricultura para distribuição na cidade e zona rural de Tucuruí.
         
Ocorre que segundo o Boletim de Ocorrência que disponibilizamos abaixo, o pastor esteve no local e agrediu os funcionários da Prefeitura que estavam trabalhando no local com insultos verbais e socos e ainda danificou dois celulares dos servidores, tendo sido registrado a Ocorrência na Delegacia de Tucuruí.
            
Segundo relato dos trabalhadores agredidos, o Pastor alegou que aquelas terras lhe pertenciam, e que havia um trato pelo qual o prefeito Sancler teria se comprometido de asfaltar a vicinal que beneficiaria sua propriedade, também alegou que seu gado estaria comendo plásticos na área e por isso estariam morrendo.
        
Ocorre que segundo nossas fontes toda esta área pertenceria ao Fazendeiro Jair Seixas e que o pastor teria no passado se apossado da mesma, não sabemos se a informação procede, mas esta é a versão do fazendeiro que teria comentado o fato na presença da nossa fonte. 
           
Como se trata de dinheiro público e de uma vultosa quantia, seria o caso do MPE investigar os fatos e apurar se as terras são realmente do Pastor, se ele poderia ter vendido as terras para a Prefeitura construir um Aterro Sanitário em área de Proteção Ambiental, se o valor pago está de acordo com o preço de mercado das terras na época da compra, e se a compra tendo como objetivo o Aterro Sanitário deverá ser apurado se houve um desvio doloso de finalidade na compra destas terras em área de Proteção Ambiental pela Prefeitura de Tucuruí e se terceiros se beneficiaram desta compra.
            
No caso do asfaltamento, é estranho que a PMT tenha se comprometido em asfaltar uma vicinal, sendo que nem os bairros da periferia de Tucuruí, como por exemplo, o Palmares, foram asfaltados. Quanto ao gado do Pastor, é obrigação do criador conter seu gado no pasto para que o mesmo não invada terras particulares e públicas. Caso o gado estivesse cercado no pasto ele não teria ingerido alimento inapropriado.
      
O fato é que as pessoas não devem resolver as suas questões com violência física ou verbal, para resolver estas questões existe a Justiça, a violência nunca se justifica, a não ser para legítima defesa pessoal ou de terceiros, e não é este o caso, mesmo que o Pastor prove que as terras lhe pertencem de fato, mesmo tendo recebido dinheiro público por elas, nada justifica a agressão aos servidores de um órgão público, que estavam trabalhando honestamente e apenas cumpriam ordens. 
            
Este é o tipo de coisa que acontece com pessoas que acham que podem resolver tudo com violência e no grito, isso pode até funcionar com pessoas pacíficas e que tem medo de entrar em contendas com pessoas violentas, mas não funciona com instituições públicas.
     
Abaixo a cópia do BO e o áudio da agressão aos Servidores da Prefeitura.
                  
Áudio da agressão, Clique Aqui.          
            
Boletim de Ocorrência do fato.
                
     

terça-feira, 25 de abril de 2017

Greve Geral dia 28, pare tudo ou morra de trabalhar...

 
   

Delator entrega provas das propinas a tucanos de SP


Delator entrega provas das propinas a tucanos de SP 
     

     
Um dos principais delatores da Odebrecht, Benedicto Júnior, ex-presidente da empresa, entregou à força-tarefa da Lava Jato um planilha que indica a relação de recursos da Linha 2-Verde do Metrô de São Paulo a um pagamento de R$ 2 milhões para a GW Comunicação, empresa que foi do marqueteiro Luiz Gonzalez, responsável por campanhas dos tucanos José Serra e Geraldo Alckmin entre 2002 e 2012. Leia a matéria completa.
      
Fonte: Site 147.
      

segunda-feira, 24 de abril de 2017

Moro admite que Léo Pinheiro podia mentir

           
          
Ele teria direito a dar suas versões, "verdadeiras ou não"
          
O juiz Sérgio Moro, responsável por processo que tem como acusados o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o empresário Léo Pinheiro, ex-sócio do construtora OAS, afirmou que o depoimento deste último à Justiça concedido na semana passada pode ter sido sido feito em meio a uma negociação do réu com o Ministério Público Federal para a obtenção de um acordo de delação premiada, e que pode conter inverdades, mas que o depoente tem direito de dizê-las.
    
A afirmação foi proferida pelo juiz quando o advogado de Lula indagou, antes que tivesse início o depoimento de Pinheiro na semana passada, a respeito da condição jurídica em que o réu se encontrava na oitivia que estava para começar. Leia mais.
       
Fonte: Blog Coversa Afiada

domingo, 23 de abril de 2017

Porchat Black Friday em Brasília

Criar e Repassar notícias e boatos falsos sobre pessoas na Internet é crime

BOATARIA
     
Divulgação de notícias falsas nas redes sociais pode ter consequências graves.
        
Entenda como identificar boatos, quem são os principais fomentadores e os riscos do compartilhamento indiscriminado.
     
Rodrigo Gomes e Tiago Pereira, da RBA
           
               
Fofoca e boataria são práticas comuns que foram turbinadas com a internet
             
São Paulo – Você soube por meio do Whatsapp ou do Facebook que Fábio Luís Lula da Silva, o Lulinha, filho do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, é dono da Friboi? Ou que uma marca chique de chocolates estava distribuindo ovos de páscoa de graça? Ou ainda que crianças estão sendo sequestradas para retirada de órgãos em uma determinada cidade? Se a resposta for sim, você provavelmente foi pego em dos muitos boatos que percorrem as redes sociais todos os dias. Apesar de inofensivos em alguns casos, há relatos de pessoas agredidas e até assassinadas por conta de informações falsas, o que indica que combater sua repercussão é uma necessidade. Até mesmo a última eleição dos Estados Unidos teve muita discussão em torno da influência dessas mentiras no pleito de 2016, que terminou com a eleição do bilionário Donald Trump.
                     
O principal problema nesse caso é que muitas vezes as pessoas acreditam estar fazendo uma coisa boa. Estão passando adiante uma informação que vai ajudar ou proteger alguém. Ou gerar uma recompensa. Mas é justamente essa a intenção de quem constrói o boato. Ele é feito para parecer algo revoltante ou extremamente convidativo, de forma que o leitor compartilhe logo, sem reflexão, sem pensar se aquela informação faz mesmo sentido.
                      
O professor de Ciência Política da Universidade Federal do Paraná (UFPR) Rafael Sampaio, especialista em comunicação política na internet, ressalta que a boataria e a fofoca sempre foram comuns entre a população em geral, mas foram turbinadas com as redes sociais. “As pessoas tendem a compartilhar links que dizem o que elas pensam ou o que gostariam de ver nos noticiários, sem checar, sem pelo menos jogar no Google para ver se acham mais de uma fonte, por exemplo. Tem uma questão patológica, acelerada pela internet: as pessoas não checam as supostas informações que recebem”, disse.
              
Estudo realizado pela agência Advice Comunicação Corporativa, por meio do aplicativo BonusQuest, em novembro do ano passado, indicou que 78% dos brasileiros se informam pelas redes sociais. Destes, 42% admitem já ter compartilhado notícias falsas e só 39% checam com frequência as notícias antes de difundi-las.
               
               
Boatos.org se dedica a desmentir notícias falsas que circulam nas redes
               
Para o jornalista Edgard Matsuki, criador do Boatos.org, site que desmente informações falsas nas redes sociais, existem alguns motivos que levam uma pessoa a compartilhar um boato. “O primeiro é que, normalmente, as pessoas não sabem que a informação é falsa. Com raras exceções, acham que o boato é uma informação real e útil. Além disso, o boato é compartilhado porque ajuda a endossar um posicionamento que a pessoa tem”, afirma.
                
A questão mais séria em relação às falsas notícias é que elas podem afetar seriamente a vida das pessoas. “Em um nível mais elementar, o boato pode ajudar a reforçar um pensamento errôneo. Afinal, mesmo que seja uma tese real, ela não pode se basear em uma mentira. Em um nível mais elevado, pode destruir uma reputação e prejudicar alguém. E, pior ainda, pode acarretar em uma tragédia como no caso de pessoas acusadas de crime que não cometeram ou de tratamentos de saúde que não funcionam”, diz Matsuki.
         
No início deste mês, o casal de fotógrafos Luiz Áureo de Paula e Pamela Martins foi espancado em Araruama, no Rio de Janeiro, após um boato de que eles estariam sequestrando crianças viralizar no Whatsapp. O texto incluía fotos dos dois e do veículo deles, inclusive com a placa de identificação do carro. Em maio de 2014, Fabiane Maria de Jesus foi morta em um linchamento no Guarujá, litoral paulista. Ela também vítima de um boato, que dizia que ela sequestrava crianças e fazia rituais de magia negra.
              
No caso de produtos, a fosfoetanolamina, chamada de pílula do câncer, pode ser um dos grandes engodos alimentados por boatos nas redes sociais. Sem nenhuma comprovação de eficácia na cura do câncer, seu uso passou a ser propagado quase como milagroso e dezenas de histórias de pessoas curadas circularam nas redes sociais. Um dos boatos dizia que “brasileiro descobre a cura do câncer e é preso após dar de graça medicamentos a portadores da doença”.
            
O caso ganhou repercussão nacional, com aprovação, no Congresso Nacional, de uma “lei pela vida” que autorizava a comercialização da substância, sem qualquer estudo que comprovasse a eficácia. No final de março deste ano, o Instituto do Câncer decidiu suspender os testes com a substância porque nenhum resultado satisfatório foi obtido após uso em 72 pessoas com dez tipos diferentes de câncer.
Sacando o boato
              
Mas como evitar cair em um boato? Essa é a principal questão em um momento que a avalanche de informações dos mais variados tipos está acessível, a todo momento, em qualquer plataforma. Em um ponto os especialistas no tema são unânimes: não se deve compartilhar uma informação imediatamente, por mais importante ou revoltante que ela pareça. Uma dica de Edgard Matsuki é nunca difundir uma informação sem esperar, pelo menos, um minuto. “Esses 60 segundos vão ajudá-lo a refletir melhor sobre o assunto”, ressalta.
                       
Nesse tempo que está pensando sobre, que tal ler a tal notícia? “Infelizmente, um dos piores hábitos que temos na internet é o ‘compartilhar sem ler’ ou o ‘comentar sem ler’. Isso acontece demais. Não entender o contexto do conteúdo ou mesmo os absurdos que estão escondidos por trás de um link e repassar para outras pessoas é um dos maiores combustíveis para boatos na internet”, ressalta a Boatos.org, em uma página destinada à orientação sobre como não cair em mentiras nas redes sociais.
        
                          
Boatos envolvendo a família de Lula sempre ganham tom de grave denúncia
                  
Nessa leitura cabem alguns destaques. O uso de expressões como “a imprensa está censurada”, “compartilhem antes que apaguem”, “partido tal quer impedir a divulgação”, “alerta”, “repasse a todos”, “meu amigo policial, médico, piloto, confirmou tudo”, são um indício forte de que a história a seguir pode ser falsa. O mesmo vale para aqueles áudios de Whatsapp em que uma pessoa se apresenta e conta “uma verdade terrível, que o governo quer esconder”.
              
Além disso, relatos sem local, sem data, sem nome de todos os envolvidos também indicam que a informação pode ser mentirosa. Como no caso do pai que teria sido preso por ensinar ao filho o ofício de pedreiro. O relato fala de um “diretor do conselho tutelar”, “seguidores da página”, “Vara da Infância”, mas não cita nomes, nem o local da ocorrência. O uso de fotos distorcidas ou sem possibilidade de identificar rostos e ambientes também pode indicar que se trata de uma mentira. Além disso, os textos sem assinatura ou sites que não indicam seu mantenedor (apócrifos) também podem ser considerados suspeitos.
                 
Tem sido muito comum que a notícia falsa tenha alguma informação verdadeira para confundir o leitor, como no recente boato de que estava tendo início uma guerra civil por conta da reforma da Previdência e que a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) se declarou “do lado do povo”. Realmente, a Ordem é contra a reforma. Mas não há uma guerra civil declarada no Brasil. Pontos absurdos assim podem ser percebidos com alguma reflexão. Se houvesse tal situação, a imprensa não noticiaria? Eu estaria indo trabalhar normalmente? Meus parentes ou amigos de outra cidade não saberiam?
                
Por fim, uma pesquisa no Google pode resolver bem mais do que imaginamos. Apesar de certos problemas de orientação política, a imprensa profissional não costuma propagar ou fortalecer boatos. Desse modo, cabe pegar um trecho da suposta notícia e lançar no buscador. Se nenhum resultado de um site de notícias profissional surgir, desconfie. Além disso, às vezes o primeiro resultado é justamente de um site que desmente notícias falsas, o que já vai liquidar de vez a história.
              
             
Um boato que viralizou recentemente foi o de um pai que teria sido preso por ensinar ao filho o ofício de pedreiro
             
Alguns sites se profissionalizaram no sentido contrário: na criação de boatos. Outros copiam informações verdadeiras de veículos jornalísticos, mas criam títulos e textos sensacionalistas para valorizar ou depreciar determinadas posições políticas. O objetivo da maior parte deles é lucrar com os acessos às páginas, motivadas pela curiosidade de seus títulos chamativos. Ferramentas de propaganda de massa utilizam a quantidade de cliques como fator de remuneração de páginas na internet.
              
Algumas páginas que trabalham nessa lógica já são conhecidas: Plantão Brasil, Brasil Verde Amarelo, Pensa Brasil, Diário do Brasil, Na Mira da Notícia, Sempre Questione são alguns dos sites que publicam notícias falsas misturadas com informações verdadeiras.
       
Outras, como Folha Política e JornaLivre – ligada ao Movimento Brasil Livre (MBL) – usam informações verdadeiras retiradas de veículos de comunicação para criar versões que enfatizem seus objetivos políticos. Alguns sites, porém, trabalham declaradamente com notícias falsas, com objetivo de fazer piadas. É o caso do Sensacionalista, que se firmou como maior página do ramo nas redes sociais.
Poder moderador: Google e Facebook
              
Em meio à polêmica envolvendo a disseminação de boatos e notícias falsas na internet, dois gigantes da informação ganharam ainda maior protagonismo. Desde o ano passado, quando a questão ganhou maior dimensão, com sites especializados em fake news (notícias falsas) supostamente atuando em favor da eleição de Donald Trump, nos Estados Unidos, Google e Facebook decidiram agir de modo a garantir a confiabilidade dos conteúdos por eles veiculados.
               
Por ora, as ações desencadeadas ainda não se fizeram sentir, principalmente aqui no Brasil. Contudo, essa função de arbitramento entre o que é falso e verdadeiro também apresenta riscos.
              
Com a função Fact Check, o Google pretende marcar as notícias veiculadas com verdadeiras, falsas ou parcialmente verdadeiras. Em todo o mundo, a empresa firmou parcerias com entidades que realizam a checagem. No Brasil, estão envolvidas a Agência Pública, Lupa e Aos Fatos, mas as marcações ainda não apareceram aos usuários.
        
Já o Facebook tem estratégia semelhante, com parceiras na checagem, que após denúncia dos usuários, confirmariam a veracidade dos conteúdos e os falsos, retirados. Todavia, a ferramenta ainda não está ativa, no Brasil. Os usuários podem até denunciar, mas o ‘pool’ de checagem não foi estabelecido, até o momento.
                
Marina Pina, jornalista e integrante do Conselho Diretor do Intervozes, organização que defende o direito à informação, alerta para o acúmulo de poder de Google e Facebook e para a necessidade de transparência nos critérios de julgamento. Soma-se a isso, a capacidade que ambas as empresas já têm, baseados em cálculos algorítmicos sigilosos, em hierarquizar a exibição de conteúdo e determinar como estes são visualizados pelos usuários nos motores de busca e também nas redes sociais.
                
"Ao mesmo tempo em que estão criando agências certificadoras e canais de verificação, isso é muito perigoso. São duas corporações que já têm muito poder de escolher e distribuir conteúdo a partir de um critério próprio", destaca a jornalista.
            

sábado, 22 de abril de 2017

Temer rouba e passa recibo... Kkkkkk.


Do blog Conversa afiada
       
"Folha mostra os recibos do roubo do Temer
Barrocal já tinha descrito a suruba no escritório em SP
     
O André Barrocal já tinha publicado o passo-a-passo da monumental roubalheira que o MTabençoou em seu escritório de advocacia (administrativa) em São Paulo, na imaculada companhia do Eduardo Cunha.
      
Agora, a Fel-lha mostra o batom na cueca:
     
Os recibos da roubalheira.
      
Pois o Treme é tao incompetente, até como ladrão, que permite passar recibo do roubo!
     
Quá, quá, quá!"
         
       

VBV - A extensão da Caridade


Reflexão de Boa Vontade — Por Paiva Netto*

A extensão da Caridade

As Boas Obras são Caridade não apenas na Religião, mas também na Ciência, na Filosofia, na Política, na Economia, no Esporte, na Arte, na vida pessoal e na coletiva. A Caridade é tão fundamental para a sobrevivência da criatura e da Humanidade, que a respeito dela assim definiu o Apóstolo Paulo, na Primeira Epístola aos Coríntios, 13:13: “Agora, pois, permanecem a Fé, a Esperança e a Caridade. Destas três, porém, a maior é a Caridade”.
             
O benemérito dr. Adolfo Bezerra de Menezes Cavalcanti, ilustre político brasileiro, conhecido como o “Médico dos Pobres”, em seu artigo “O Homem Carnal e o Espiritual”, publicado no jornal O Paiz, no século 19, classificou: “A Caridade é a sublime virtude recomendada pelo Cristo; ela unifica, individualmente, o Amor de Deus e o Amor do próximo”.
               
Erasmo de Rotterdam (?1469-1536) classifica a Caridade, no seu famoso Elogio da Loucura, como fator básico para a subsistência, por ocasião do Fim dos Tempos: “O Juiz de toda a terra (o Cristo), no último dia, (...) pedirá contas apenas pela administração de Seu legado, que foi a lei do amor e caridade”.
         
Lutero, Fé e Boas Obras
Aqui um texto de minha autoria, que publiquei em Reflexões da Alma (2003):
Um dos maiores questionamentos de boa parte daqueles que desejam a salvação espiritual é “O que mais agrada a Deus?”. O grande reformador Martinho Lutero (1483-1546) tem a resposta, citada pelo professor Leônidas Boutin: “Ter Fé verdadeira e inabalável na Palavra de Deus, que está contida nas Sagradas Escrituras. E quem tem verdadeiramente fé há de praticar Boas Obras, isto é, amará ao próximo, pois é impossível ter fé sem praticar Boas Obras, que são, assim, decorrências naturais e inevitáveis dela”.
              
Muhammad, o Profeta, e a prática do Bem
Exercitar o Bem é muito melhor. O contrário leva a criatura a lamentável estado de arrependimento, como demonstra o Profeta Muhammad“Que a Paz e as bênçãos de Deus estejam sobre ele” — no Corão Sagrado, versículo 12 da 32a Surata (A prostração): “Ah, se pudesses ver os pecadores, cabisbaixos, ante o seu Senhor! Exclamarão: Ó Senhor nosso, agora temos olhos para ver e ouvidos para ouvir! Faze-nos retornar ao mundo, que praticaremos o bem”.
               
Sobre o sublime ato de se doar ao próximo e suas consequências sociais, passemos a palavra ao pensador político francês Alexis de Tocqueville (1805-1859): “A caridade dos indivíduos se dedica às maiores misérias, procura o infortúnio sem publicidade e, de maneira silenciosa e espontânea, repara os males. (...) Pode produzir somente resultados benéficos. (...) Alivia muitas misérias, sem produzir nenhuma”.
                
Por isso mesmo, asseverou o Cristo: “A cada um de acordo com as próprias obras” (Evangelho, segundo Mateus, 16:27).
               
Homens, povos e nações serão julgados por essa Divina Lei de Amor e de Justiça.
      
* José de Paiva Netto, jornalista, radialista e escritor.